Reflexões sobre amor e autonomia

Esse texto começa pelo compartilhamento de ideias e impressões que vieram da roda de conversa online “Encontrar alguém”: o que buscamos nos relacionamentos amorosos. Mas não são apenas as minhas reflexões; desejo trazer o ponto de vista do grupo de participantes, e para isso compartilho algumas falas expressas em depoimento na sequência do evento, em que respondiam à questão: Quais emoções, sentimentos e reflexões estão presentes após esse encontro?

(Obs.:todas as pessoas autorizaram que eu usasse suas falas)

Não estar em um relacionamento não significa não ser uma pessoa interessante ou ser uma pessoa errada, é importante se entender como um indivíduo dentro de um relacionamento, sabendo colocar limites mesmo que isso frustre o outro e é importante equilibrar o dar e o receber em um vínculo amoroso.

Nos relacionamentos que estabelecemos tudo começa por nós mesmos, desde a nossa escolha do parceiro. É preciso termos cuidado com as projeções.

Quanto mais nos conhecermos mais fácil será lidar com os encontros e desencontros da vida!

Como é desafiador a arte de amar, e o quanto precisamos ser sutis, abnegados de nossas expectativas, para receber do outro o que este consegue passar, que é a forma de amar de cada um,  contudo não esquecendo o que é mais importante, amar a si mesmo, para então doar, encher-se para esvaziar, isso numa constante…

Ficou marcada, durante toda a nossa conversa, a importância de olharmos para nós mesmos/as em nossas vivências amorosas, a fim de libertar o outro da obrigação de nos fazer felizes. Falamos muito (buscando respeitar as diferentes perspectivas trazidas por cada indivíduo) sobre amor e liberdade; o cuidado consigo mesma/o e com o outro na relação; diversas configurações de relacionamentos possíveis; autonomia emocional… Temas que considero da maior importância, e trago mais uma inspiração para essas reflexões: o excelente vídeo produzido pela The School of life, “Por que devemos esperar menos do amor” (é preciso ativar as  legendas).

E destaco alguns pontos significativos:

  • Viemos nos alimentando coletivamente com uma imagem muito inútil de como o amor deve ser, em que qualquer ação independente é tida como um sinal de não-amor.
  • Uma visão mais realista e apropriadamente romântica de um casal sugere que deve haver algumas áreas fortes onde podemos atender as necessidades do outro, mas também deve haver muitas outras onde é claramente melhor perseguir nossos objetivos por conta própria.
  • Uma redução da dependência não significa que o relacionamento está se desfazendo; significa que nós estamos aprendendo a focar mais clara e atentamente no que a outra pessoa pode nos proporcionar, e paramos de culpá-la por não ser alguém que nunca foi.
  • Nossos conflitos e decepções se tornarão imediatamente mais controláveis quando pararmos de exigir do nosso/a parceiro/a que funcione sempre como a nossa outra metade perdida.
  • Quanto mais formos capazes de sobreviver sem um relacionamento, maiores serão as chances de sobrevivência e realização desse relacionamento. Nós realmente daremos chance ao amor quando pararmos de acreditar que ele pode, sozinho, nos salvar.

Para mim, fica disso tudo a conclusão de que precisamos nos abrir para viver o amor de uma forma mais saudável e madura, em que cuidar de si e cuidar do outro caminhem em equilíbrio. Já estamos há tempo demais nos apoiando no ideal de amor romântico como norma para nossos relacionamentos, mas aos poucos vamos trilhando novos caminhos, de viver novos tipos de amor, com mais respeito e liberdade. É só o início, mas acredito que chegaremos lá.

E você? Quais as suas percepções e reflexões sobre isso? Compartilha com a gente, aqui nos comentários!

Sou psicóloga em Belo Horizonte – MG. Atendo Psicoterapia individual, de grupo e terapia de casais. Em minha busca por ser uma pessoa melhor, já fiz diversas terapias e percorri um bom caminho de autoconhecimento. Hoje vivo "a sorte de um amor tranquilo". Apaixonada por música, livros e boas conversas.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.