Padrões de comportamento e mudanças consistentes

Repetições. Elas vivem acontecendo na nossa história, já reparou? Por exemplo, sempre enfrentar o mesmo tipo de situação no trabalho, viver relacionamentos amorosos com as mesmas características (e muitas vezes são insatisfatórios, aquilo que já foi batizado de “ter o dedo podre”) ou só conseguir fazer as coisas de uma maneira (como o tão frequente “eu não consigo dizer não!”).

giphy.com

É o que chamamos de padrões de comportamento. É muito importante conhecer os próprios padrões e, escolhendo mudar, fazer isso de uma maneira consistente. Sim, porque existem mudanças do tipo: “Eu não consigo dizer não, então agora vou mudar e passar a dizer não para tudo e todos”. Acredite, isso não se sustenta, muitas vezes o padrão é mantido. É como “trocar seis por meia dúzia”.

Moreno, o pai do Psicodrama, usou o termo Conserva Cultural para se referir aos padrões que se repetem na nossa vida. Para ele, a conserva não é saudável, mas é fruto de um movimento saudável. Quando nos deparamos com situações desafiadoras, lançamos mão da nossa criatividade (sim, a capacidade de criar) para encontrarmos uma resposta satisfatória. A isso Moreno denomina Espontaneidade: a capacidade de dar uma resposta adequada a uma nova situação ou uma nova (e adequada) resposta a uma situação antiga. E é sinônimo de saúde. Pois bem, enfrentando tais situações, nos valemos de nossa Espontaneidade e respondemos de forma adequada/satisfatória. Então, achamos essa resposta “o máximo” e a conservamos, passando a utilizá-la em situações parecidas no futuro. Aí está o problema, já que a vida nos pede respostas diferentes em situações diferentes (mesmo que parecidas). E a conserva já não traz respostas conscientes, mas reações automáticas, muitas vezes trazendo frustrações.

Fazendo uma metáfora, é como ir a um restaurante em que o cardápio só tem um item. Você come sempre a mesma coisa, e não é porque é seu prato favorito. É porque só tem aquilo para pedir…

Observação importante: Nem todo padrão é negativo. O fato de fazermos as coisas de uma maneira própria faz parte de sermos quem somos. O problema está em repetir respostas que se mostram inadequadas à situação presente, de forma compulsiva.

Mas e aí? Como mudar esse tipo de situação de uma forma sustentável?

O primeiro passo é conhecer e reconhecer suas conservas. Quais são? Como você aprendeu a responder dessa forma? Quais são as crenças, lógicas e sentimentos envolvidos nesse padrão? É necessário um olhar cuidadoso para si mesmo/a para alcançar esse entendimento.

Junto com isso, aprender a discriminar circunstâncias e emoções. Usar a consciência para compreender que, se você está repetindo um padrão, não está avaliando a situação como algo novo à sua frente, mas reagindo como se fosse igual à situação do passado em que a conserva foi criada.

E, a partir daí, buscar ampliar o repertório de respostas às situações que despertam o padrão. “Como posso fazer diferente? O que me atrapalha?”. Perceber uma situação como nova (por mais que lembre situações antigas) e entrar em contato com: o que você pensa, o que você sente, o que você precisa nesse momento, o que é mais adequado aqui e agora? Acessar o seu potencial criativo. Correr riscos, permitir-se experimentar e até errar, permitir-se descobrir uma resposta nova e adequada.

Voltando à metáfora do cardápio, é criar um menu mais vasto, em que você possa pedir e experimentar pratos diferentes. E você pode até pedir muitas vezes o mesmo prato, mas agora é porque você escolhe, sabendo que tem a possibilidade de comer outras coisas.

A Psicoterapia pode ajudar nisso: contribuindo para que você reconheça seu mundo interno, que saiba o que te motiva a reagir ou responder de determinada forma, ela possibilita “sair do automático”, encontrar novas possibilidades.

Dar novas respostas é se deparar com uma nova realidade! É se libertar, é abrir seu mundo, sua mente. Aí sim, é possível fazer não apenas mudanças, mas transformações em sua vida.

 

Gostou desse texto? Você se identifica com as coisas que expus aqui? Deixe seu comentário, vamos conversar sobre conservas e transformações!

Sou psicóloga em Belo Horizonte – MG. Atendo Psicoterapia individual, de grupo e terapia de casais. Em minha busca por ser uma pessoa melhor, já fiz diversas terapias e percorri um bom caminho de autoconhecimento. Hoje vivo "a sorte de um amor tranquilo". Apaixonada por música, livros e boas conversas.

3 comentários em “Padrões de comportamento e mudanças consistentes

  1. Olá Juliana! Adorei a forma de abordar o tema. Conheci o projeto pelo Instagram do amadoria e vou me inscrever no workshop de 06/06! Acho que vai ser para mim a entrada em um ciclo de uma outra forma de amar e ver os relacionamentos amorosos. Me identifiquei muito com a abordagem e o tema! Parabéns ?? Nos vemos lá

    1. Ei, Ludmila! Muito grata, que ótimo que gostou! Já recebemos sua inscrição para o workshop, vou entrar em contato com você para efetivarmos. Espero que seja mesmo muito especial pra você! Abração e até a semana que vem!

Deixe uma resposta