Batata Quente: Os desafios que nos ajudam a crescer

Muitas vezes vejo as pessoas desejando que as turbulências de suas vidas passem, almejando um momento em que as coisas estarão em seus lugares e calmas. As férias ou quando os filhos crescerem ou quando acabarem de pagar alguma dívida…. Há sempre um tempo no futuro em que as coisas serão melhores. Será que existe um momento da vida em que os problemas cessam?

Há alguns anos, quando dava aula de dinâmica de grupos no curso de Psicologia, adotava um texto chamado Terapia Institucional de Luís Carlos Osório (do Livro “Como Trabalhamos com grupos”, Editora Artes Médicas, 1997). O autor descreve o que chama de “fenômeno da batata quente” ou circularidade da patologia institucional. Ele argumenta que em toda instituição há um núcleo conflitivo (a batata quente) que pode ser, por exemplo, disputas de poder no setor de produção ou no setor administrativo. Esse núcleo conflitivo deve circular e mudar de setor/área da instituição. Ou seja, a batata tem que rodar e “assar” cada hora num lugar. Isso indicaria que a empresa/organização é saudável. Porém, como toda instituição é um grupamento humano, sua própria natureza gera conflitos e “re-aquece” a batata. E esse reaquecimento é normal e faz parte do funcionamento de toda e qualquer organização. Dessa forma, a “saúde institucional” pode ser avaliada não pela inexistência de conflitos, mas pela velocidade da circulação da “batata”, já que quando a batata circula, ela produz menos danos ou queimaduras graves em um mesmo setor.

Acho essa metáfora maravilhosa e gosto de deslocá-la para nossas vidas. A realidade cotidiana gera conflitos e questões. Então, é pura ilusão achar que vai chegar um momento em que tudo estará calmo e tranquilo. O que é indicador de saúde é a capacidade de fazer a batata quente circular mais rapidamente para não gerar queimaduras muito graves. Logo, uma hora a “batata estará assando” na sua vida financeira, em outra na sua vida amorosa, em outra na sua vida profissional, em outra na sua vida familiar. Sempre terá algum ponto em que as coisas estarão complicadas. O problema é quando a batata assa sempre no mesmo ponto… aí observamos queimaduras de décimo grau! Qual o nível de “queimaduras” que estou observando em cada área? O estado de alerta começa quando há um campo da minha vida em que a batata está assando sempre.

Sem a idealização de calmaria ou de que a vida vai chegar num estado de nirvana, podemos ir lidando com a vida tal qual ela se apresenta e enfrentar os desafios cotidianos que nunca cessarão. Não existe a ausência de questões em todos os setores da vida ao mesmo tempo. Isso é a morte, como bem demonstra o meme abaixo:

Fonte: www.desistirnunca.com.br

Que a batata-quente circule!

 

Obs.: Este texto foi publicado anteriormente na revista Anchieta em casa.

 

Sou psicóloga, mestre em psicologia social e doutora em educação. Adoro estar com pessoas e tenho trabalhado com educação em sexualidade e em projetos que buscam construir um mundo mais justo. Sou mãe do Bernardo e da Manuela. E-mail: annaclaudiab@gmail.com

Deixe uma resposta