Os 5 posts mais queridos do Ser em Relação 1.0

O Ser em Relação passou por um período considerável fora do ar, e agora estamos retomando com muito entusiasmo! Para “reabrir os trabalhos”, compartilho aqui 5 posts daquela primeira fase, escolhidos por mim como os mais queridos. Se quiser conferir tudo, as postagens antigas estão na categoria “Túnel do tempo”.

 

“A vida é a arte do Encontro”

 

Esse foi o primeiro texto que escrevi e postei no Ser em Relação. Nele eu falo do Encontro, um conceito essencial nas abordagens existenciais da Psicologia e, mais especificamente, do Psicodrama e da Gestalt-terapia, linhas com as quais eu trabalho. Falo também da logomarca do site: “uma ciranda que precisa das pessoas para que funcione, ou seja, um grupo; e ao mesmo tempo cada círculo compõe um indivíduo que faz seu próprio trabalho, no caminho do autoconhecimento”.

Ali está também o poema “Divisa” de J. L. Moreno – pai do Psicodrama. E o título foi inspirado no belíssimo Samba da bênção, canção que eu adoro. Enfim, é um texto que fala muito da proposta desse site.

Para conferir inteiro, clique aqui.

Sobre a felicidade

 

Esse foi o post com maior número de acessos naquela primeira etapa do site.

Escrevi sobre a felicidade, sua valorização na nossa cultura e a importância de refletirmos sobre, relativizando a questão. Falei sobre felicidade, bem-estar, aceitação de quem somos – com alegrias e dores. “Como a Flor de Lótus, que nasce na escuridão do lodo e cresce para a superfície da água, podemos transformar a experiência da dor em parte do nosso crescimento e iluminação”.

Clique aqui e leia o texto na íntegra.

Posso te ajudar?

 

Esse é um texto muito importante para mim, já que escolhi uma profissão de ajuda. Nele eu compartilho reflexões sobre o ato de ajudar com dignidade e respeito a quem nos procura. Falo de codependência, algo muito presente nas relações adoecidas, com direito a esqueminha: o triângulo de dramas, em que estão envolvidos os papeis de Salvador, Vítima e Perseguidor.

Concluo falando da importância de cuidarmos bem de nós mesmos, para estarmos em boas condições de ajudar outras pessoas.

Para ler na íntegra, clique aqui.

O que você escolhe?

 

Nesse texto, falo sobre fazer escolhas com consciência, tendo como critérios aquilo que é bom para nós e não apenas o que atende aos nossos desejos.

Falo da Espontaneidade como um conceito do Psicodrama que está relacionado à saúde das pessoas e de suas relações: a capacidade de agir de modo satisfatório diante de situações novas, ou de modo novo – e satisfatório – diante de situações já conhecidas.

É um texto que fala sobre fazer diferente, nos reinventarmos. Para ler todo, clique aqui.

Entre a coisificação e a esperança: análise do filme Preciosa

 

Esse texto não é meu. É do Érico Douglas, grande amigo desde a graduação em Psicologia.

Foi o primeiro texto de um colega que eu publiquei no Ser em Relação. Houve outros, mas tudo começou com esse, e essa é uma boa novidade do site na nova etapa: mais colegas irão escrever por aqui, o que enriquece muito esse trabalho!

“Preciosa – uma história de esperança” (2009) não é um filme feliz. Retrata uma dura realidade e uma busca por caminhos para se viver melhor, não excluindo a dor, mas lidando com ela com integridade – no sentido de se estar inteiro – e respeito pela própria caminhada. É um filme do qual eu gosto muito – vale ser assistido, sem dúvidas. E o Érico faz uma análise muito bacana. Leia tudo clicando aqui.

Bom, esses são minhas publicações preferidas. Compartilho aqui, com a intenção de que venham muitas outras coisas legais pela frente.

E você, o que achou? Qual texto do “túnel do tempo” te chamou mais a atenção? Sobre que temas gostaria de ver coisas publicadas por aqui? Participe, deixe sua opinião ou sugestão nos comentários!

Sou psicóloga em Belo Horizonte – MG. Atendo Psicoterapia individual, de grupo e terapia de casais. Em minha busca por ser uma pessoa melhor, já fiz diversas terapias e percorri um bom caminho de autoconhecimento. Hoje vivo "a sorte de um amor tranquilo". Apaixonada por música, livros e boas conversas.

Deixe uma resposta